Cinthya Nunes é jornalista, advogada e professora universitária
Cinthya Nunes é jornalista, advogada e professora universitária

Nesse momento escrevo com uma vista privilegiada. Estou sentada à beira-mar. Os tons de azul e esmeralda se confundem entre o céu e o oceano. Após muitos anos e tentativas, conseguimos agendar uma viagem de férias em família. Estamos em onze pessoas, sendo nove adultos e três crianças. Em verdade, somos quase doze, já que mais um sobrinho ou sobrinha está a caminho.
Já é o nosso último dia aqui e já estamos naquele misto de vontade de que as férias não terminem e o desejo de voltar para casa. Nossas roupas se dividem entre sujas, molhadas ou amassadas e é difícil achar algum de nossos pertences que não esteja salpicado de areia. Ainda assim é quase impossível não ter pena de nos despedirmos desse pedacinho de paraíso.
Viajar em família é mesmo um desafio e uma aventura. Famílias são conjuntos de pessoas que, mesmo ligadas por laços de sangue, têm gostos e manias diferentes. Família briga na cozinha e faz as pazes na sala. No nosso caso, discutimos na piscina e fazemos as pazes na areia. Somos peças diferentes, sem encaixe exato, mas indiscutivelmente fazemos parte do mesmo todo. O que nos une é maior e mais importante do que o que nos separa.
Aproveitamos bem a nossa semana que ora se finda, custeada por longos meses de parcelas suadas. Tivemos que otimizar nossos recursos para possibilitar que todos estivéssemos juntos, mas valeu a pena. Nem tudo, no entanto, foram flores. Como sempre, em toda aventura que se preza, alguma coisa tinha que sair do planejado. Até o sol ajudou, eis que só choveu um dia, mas para meu azar, da minha mãe e de uma das minhas irmãs comemos algo que deveria estar estragado.
Desconfiamos que tenha sido uma aparente inofensiva melancia, talvez meio passada. Eu mal dei uma mordida na dita cuja, mas foi o suficiente para passar uma noite inteira tremendo de frio, embaixo de toda coberta que achei pela frente. A sensação era de congelar dentro de um caldeirão fervendo. Vômito e dor de barriga também fizeram parte da festa. Durante um dia inteiro, ficamos as três de castigo, na cama, enquanto os outros se refestelavam.
Quase como uma ressurreição, estávamos as três de pé e praticamente inteiras no dia seguinte. Ainda bem que era uma “pereba” passageira. Achei que estava no lucro no fim das contas, mas infelizmente ainda acordei com um dos olhos muito irritados e pensei que só me faltava ter uma conjuntivite. Aparentemente era só uma irritação, pela glória de Netuno.
Viajar sempre me faz refletir sobre muitas coisas. Por mais que eu me esforce, não consigo deixar de analisar o impacto ambiental que toda a exploração turística causa. Triste ver que não há exatamente uma preocupação com o meio ambiente e que tudo ou quase tudo se resume à questão financeira. A pobreza extrema da população do local é algo que ressalta diante dos recursos de grande parte dos visitantes.
Outra coisa que me causa espanto é a falta de educação das pessoas, essencialmente de quem deveria dar o exemplo. Ainda que aqui, propriamente, onde estamos, a praia seja limpa, constato que é porque funcionários recolhem o lixo que vários turistas jogam pela areia, sem qualquer constrangimento.
Gostei, no entanto, de ver que aqui tratam com respeito a maior parte dos animais, silvestres e domésticos. Há pelo menos uns três cães que circulam pelo hotel, sendo alimentados pelos hóspedes e que não são importunados por ninguém. São cachorros de porte médio, dóceis e que estão sempre a dormir pelos pés dos turistas ou a pedir comida. Há também iguanas. Circulam por todo lugar, comendo os coquinhos que despencam lá do alto e posando involuntariamente para dezenas de fotos.
Viajar, estar em férias ressignifica o trabalho, o labor e as dificuldades do dia a dia. Assim como a música é composta de pausas, o descansar implica no trabalhar. Não sei quando poderemos repetir a dose, mas valeu a pena. Baterias recarregadas, aventuras na bagagem da mente e um monte de bons sentimentos no coração. Agora, estamos indo de volta pra casa…

Cinthya Nunes é jornalista, advogada e professora universitária