Delton Unglaub é professor do Núcleo de Negócios do Centro Universitário Hermínio Ometto (FHO) e mestre em administração de empresas

Se alguns anos atrás o sonho era ter uma carreira de sucesso, infelizmente, hoje o alvo é manter-se no emprego ou até aventurar-se em uma carreira aleatória. Este fenômeno ocorre em tempos de crise. Existem muitos jovens capacitados sofrendo com a pressão do recrutamento e seleção das melhores empresas, pois, antes, falar inglês era um diferencial, agora faz parte de todos os currículos. Então, o que é um determinante para conseguir ou manter-se num emprego?

Primeiro: seja relevante. O passo inicial é assumir um cargo que faça parte do resultado esperado na empresa. O departamento essencial de uma organização tende a não realizar cortes ou perder investimentos. Se já está nesta área, você ainda precisa entender quais competências a diretoria acredita serem necessárias. Por exemplo, seu gestor busca habilidades de liderança? Seja voluntário ou encontre um mentor. A empresa demanda planejamento e organização? Encontre ferramentas úteis: agenda, aplicativo ou quadro de anotações em alguma parede.

Segundo: desenvolva a visão de “dono do negócio”. Neste caso, a assertividade é a competência ideal. Muitos colaboradores acreditam que devem fazer apenas a sua função. Para se destacar é necessário ter um bom network e entender como cada um contribui para o resultado final. Assim, terá mais informações para solucionar problemas no futuro.

Terceiro: evite críticas e reclamações. Não dê más notícias. A crítica tem seu espaço e tempo, mas cultive o hábito de apontar erros trazendo algum resultado junto. No momento de crise, quem consegue reduzir custos ou trazer novos clientes terá maior êxito.

Quarto: esteja disponível para assumir mais funções e desafios. É necessário equilíbrio entre vida pessoal, família e trabalho. Porém, procure participar de projetos novos ou grupos de trabalho interdepartamentais no início de sua carreira. Andar a “segunda milha” é uma dica importante para alcançar o topo.

 

Crise aquece procura por especialização

O mercado está em recessão. A crise traz graves consequências para a economia. Mas há soluções. Uma delas está na especialização. Segundo José Alberto Aranha, vice-presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), “o novo trabalhador do século 21 é o que tem capital intelectual e a única maneira de competir é através da educação”.

Acrescentar um título ao seu currículo é um bom começo para se destacar, realocar ou recolocar no mercado de trabalho. Por exemplo, você trabalha no departamento comercial e não tem um desempenho adequado. Por isso, faça um MBA ou pós-graduação (finanças, RH, marketing, logística etc.). Os diretores da área financeira são muito valorizados em épocas de crise, #ficadica.

Outra vantagem de voltar para a sala de aula é o network. Geralmente os colegas trabalham em empresas do ramo e, ao realizar tarefas em grupo, podem perceber qualidades em você.

Na Universidade Positivo, em Curitiba (PR), por exemplo, a demanda pelas matrículas de cursos de MBA e pós-graduação aumentou em média 66% este ano em relação ao mesmo período de 2018. Empresas de consultoria, como a McKinsey, também perceberam a necessidade de especialização. Agora investem em formar líderes, assim como as instituições de ensino. Ou seja, o mercado cresce e há espaço para a concorrência.

 

Qualidades do próximo CEO

Se tornar presidente (CEO) de uma empresa é uma meta audaciosa. Muitos que almejam este cargo pensam apenas no presente e não discutem o futuro. Ou seja, não adianta se planejar hoje, se você só terá condições de assumir este cargo daqui a cinco, oito anos. Para se colocar nesta posição invista nas seguintes habilidades: experiências heterogêneas (vivência internacional, voluntariado ou empreendedorismo), resiliência (superar uma queda ou erro), humildade (reconhecer os verdadeiros idealizadores de grandes ideias), fazer o que diz prometer e cumprir, ter repertório técnico (cobrar dos colaboradores com propriedade) e conhecer os procedimentos.

Mais notícias

COMPARTILHAR