O amor por um animal não tem raça ou cor

Gilberto Santello e Marjorie Fernandes formam sua família com 40 animais. Entre eles estão as inseparáveis Bonnie e Pepper, que foram acolhidas num dos Dias de Adoção organizados pelo Canil Municipal. Para eles, “no olhar de cada animal abandonado existe só o desejo de ser amado. Dê uma chance. Vale a pena!”
Gilberto Santello e Marjorie Fernandes formam sua família com 40 animais. Entre eles estão as inseparáveis Bonnie e Pepper, que foram acolhidas num dos Dias de Adoção organizados pelo Canil Municipal. Para eles, “no olhar de cada animal abandonado existe só o desejo de ser amado. Dê uma chance. Vale a pena!”

A coluna hoje conta um pouco da história de Marjorie Fernandes em sua “louca vida de amor pelos amigos de quatro patas”. Ela relata que sempre adorou todos os tipos de animais. “Há uns sete anos eu e meu marido Gilberto Santello estávamos indo tomar sorvete, quando nos deparamos com uma cachorrinha na estrada, ao lado de sua irmãzinha morta, que foi atropelada. Aquela cena cortou nossos corações e foi assim que tudo começou”.

Millie foi a primeira a ser resgatada pelo casal. Até aí já eram seis cachorros na família: Tom, Thor e Paçoca de Gilberto e Bombom e Bolota de Marjorie. “Depois disso não paramos mais”, afirma a simpatizante da causa. “Veio a Kira, achada numa lixeira. Depois vieram a Nala e o Buzz, também achados na rua. De um rápido romance entre o Buzz e a Millie nasceram o Farofa (que hoje é de minha cunhada), o Raj e a Maya (que são de minha mãe), a Bella, o Thelmo e a Piggy que ficaram conosco”.

E os relatos continuam: “Um dia, indo para a cidade, meu marido viu dois olhos enterrados na lama. Chegava, assim, o Tazz. Foi levado ao veterinário praticamente morto. Hoje é um cachorro enorme e lindo. Nesta mesma estrada, em um outro momento, estava a Mystic, que veio para aumentar nosso lar. Até então morávamos numa chácara em Extrema/MG. Depois mudamos para Araras e achávamos que a família já estava completa. Engano nosso! Indo para a cidade eu tinha visto uma cachorrinha preta linda. Tentei ignorar. Na volta ela continuava no mesmo lugar. Ignorei de novo.

À noite caiu o maior temporal e eu não podia mais ignorá-la. De pijama, pegamos o carro e fomos até onde ela estava, levamos abrigo e comida. Mas para nossa surpresa eram três cachorros. Deixamos as coisas e voltamos. Eles nos seguiram até em casa. Layla, Mel e Spock entraram como se vivessem aqui a vida toda. Nessa época perdi meu amigo e companheiro Bolota. Foram 16 anos de mau humor e rosnadas. Foi um baque! A gente nunca está preparado para isso. Logo depois Tom e Thor também partiram. Muito triste!”.

As encantadoras Bonnie e Pepper são as estrelas do mês de fevereiro no Calendário de Pets do Grupo de Proteção Abrace Patinhas Araras
As encantadoras Bonnie e Pepper são as estrelas do mês de fevereiro no Calendário de Pets do Grupo de Proteção Abrace Patinhas Araras

Marjorie prossegue falando sobre seus animais: “Frederico chegou quando ao passar por um pet shop vi aquela bolinha de pelos minúscula, que estava sofrendo com o calor numa gaiola no sol. Não pensei duas vezes e fui lá buscá-lo (este foi o único que comprei). Dois dias depois morre meu Bombom aos 18 anos (muito bem vividos). Mais um momento horrível! Um dia por curiosidade fui na feira de adoção que tem todo mês na praça. Foi quando conheci a Bonnie e a Pepper, amigas inseparáveis. Voltamos para casa com as duas. Assim também foi a adoção de Giba e Pirata, amigos eternos que não saberiam viver um sem o outro”.

Concluindo ela diz: “Não posso dizer ‘agora chega’, porque o coração sempre vai falar mais alto. Hoje nossas vidas são cheias de amor e gratidão com 21 cachorros, uma gata, seis calopsitas, um coelho, três tartarugas e oito hamsters. Aqui em casa não há tempo para ter tédio, a agitação corre solta o dia todo. Se meu marido não fosse tão louco quanto eu, isso jamais seria possível. Ele é meu companheiro de crime. Triste saber que a maioria desses cães tinha um lar, que eles não estavam maltratados, apenas abandonados, jogados na rua/estrada. Meu mundo ideal? Que todos os animais abandonados tivessem um bom lar onde fossem muito amados. Porque eles nos dão muito amor e isso não tem preço”.

Mais notícias

COMPARTILHAR