As bombas de captação de água bruta do rio Mogi Guaçu continuam desligadas. Adotada desde o dia 2 de janeiro, a medida está em fase de análise pela Prefeitura e visa reduzir gastos com energia, já que as bombas são responsáveis por grande consumo elétrico.

A decisão do desligamento das bombas do Mogi Guaçu foi por conta do período chuvoso previsto em janeiro
A decisão do desligamento das bombas do Mogi Guaçu foi por conta do período chuvoso previsto em janeiro

Segundo o Saema (Serviço de Água, Esgoto e Meio Ambiente do Município), as represas estão sendo monitoradas diariamente. Durante o período de estiagem e crise hídrica em 2014/2015, o Saema realizava a captação de água bruta no Rio Mogi Guaçu. A operação teve como objetivo preservar as represas “Antônio Meneghetti” (Tambury), “João Ometto Sobrinho” (Água Boa) e “Hermínio Ometto”, responsáveis pelo abastecimento da cidade e que chegaram a secar naquele período.

A decisão do desligamento das bombas do Mogi Guaçu foi tomada levando em conta o período chuvoso previsto no primeiro mês do ano. As chuvas intensas de janeiro ultrapassaram as expectativas do mês, colaborando para que a medida de economia fosse mantida, sem prejudicar o abastecimento do município.

 

Chuvas

No mês passado, o Saema registrou 298,1 milímetros, quantidade que surpreende em relação aos dois últimos anos. “Em janeiro de 2016 choveu 263,9 milímetros e no mesmo mês, em 2015, tivemos 150,2 milímetros de chuva. Estamos com as represas extravasando, o que nos permite continuar com as bombas do Mogi Guaçu desligadas”, conta o diretor de Coordenadoria de Captação, Tratamento e Distribuição de Água, Wagner Bergamin.

Atualmente, a represa “Hermínio Ometto” é responsável por 78,5% do montante de água captada em Araras – os outros 21,5% são da represa “Antônio Meneghetti” (Tambury).

 

Economia e novos objetivos

Em dezembro do ano passado, a autarquia desembolsou R$ 62.106,44 mil reais com as bombas do Rio Mogi Guaçu ligadas para realizar a captação. “O gasto é alto por conta da distância de cerca de 25 km do rio até a ETA (Estação de Tratamento de Água). Atualmente, nós só ligamos uma vez por semana, no máximo, para manutenção e para garantir o bom funcionamento das bombas em caso de necessidade. Esperamos economizar, pelo menos, 70% do que a autarquia estava gastando em energia, valor que acreditamos que possa ser utilizado para melhorar outros serviços”, explica Bergamin.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*