Posto em Limeira tem preços bem menores que em Araras

Um grupo de consumidores de Araras acionou o Procon (Fundação de Defesa do Consumidor ) para denunciar o alto preço dos combustíveis na cidade. A denúncia foi protocolizada no órgão no início da tarde de ontem, dia 3.

De acordo com o empresário Otaviano Bernal, um dos representantes do grupo, pode estar havendo possível abuso e combinações de preços pelos postos na cidade. “Em Araras o preço do etanol pode chegar até a R$ 2,19 o litro e da gasolina R$ 3,29. Isso representa uma grande diferença com relação ao valor do combustível em outras cidades da região”, ressaltou.

Grupo responsável pela reclamação ao Procon
Grupo responsável pela reclamação ao Procon

No documento protocolizado foi solicitado ao Procon uma apuração e investigação em relação aos preços dos combustíveis nos postos do município. “Nota-se claramente um possível abuso e combinação de preços nestes estabelecimentos, comparando com outros estabelecimentos da nossa região. Para citar um exemplo da grande diferença de preço dos combustíveis em outras cidades vizinhas a nossa, posso citar a cidade de Rio Claro, que o preço médio do Etanol é de R$

Posto em Limeira tem preços bem menores que em Araras
Posto em Limeira tem preços bem menores que em Araras

1,59 e o preço médio da gasolina é de R$ 2,94, sendo que o preço médio do etanol na cidade de Araras é de R$ 2,19 e da gasolina o preço médio em cidade de Araras é de R$ 3,29. Nota-se que o Etanol é que tem mais diferença em relação a outras cidades, chegando a quase R$ 0,60 por litro”, assinala o documento.

A combinação de preços é crime, conhecido por cartel. É um acordo ilegal, que pode ser explícito ou implícito entre concorrentes para elevar os lucros. É uma prática considerada criminosa contra os direitos do consumidor. Além do processo judicial, quem praticar cartelização pode também ser condenado administrativamente, sendo proibido de contratar com instituições financeiras oficiais e de parcelar débitos fiscais ou participar de licitações. Se a denúncia for aceita e os denunciados condenados, a punição pode chegar a cinco anos de prisão, segundo a Lei no 8.137/90.

Atualmente, o Procon de Araras não possui fiscais, o que prejudica o trabalho do órgão no que diz respeito as fiscalizações. Para essas ações funcionários da equipe de Campinas são “emprestados” para cidade.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*