Lixo e entulho sendo lançado a céu aberto, às margens da “Estrada Pau Ferro”

O vereador Eduardo Elias Dias – Dú Segurança (PHS – Partido Humanista da Solidariedade), o popular Dú Segurança, fez duas denúncias graves

Lixo e entulho sendo lançado a céu aberto, às margens da “Estrada Pau Ferro”
Lixo e entulho sendo lançado a céu aberto, às margens da “Estrada Pau Ferro”

relacionadas ao meio ambiente. A primeira é sobre um aterro clandestino que está sendo formado na “Estrada Pau Ferro”, no sentido do Assentamento Saltinho. A segunda refere-se a uma devastação que está ocorrendo em área rica em nascentes, nas imediações das obras do Residencial “Milton Severino”, no Jardim Aeroporto.

Quanto ao aterro clandestino, Dú Segurança solicita do Executivo que verifique se a denúncia procede, pois há muito lixo e entulho sendo lançado a céu aberto na natureza, às margens da “Estrada Pau Ferro”, inclusive avançando sobre caminhos conhecidos como carreadores, por onde é ecoada a produção de cana­de­açúcar.

Para o edil, trata­se de um problema grave e, caso providencias não sejam tomadas, ele irá acionar o Ministério Público. “Portanto, o que espero são mesmo providências, com a apuração de responsabilidade e o restabelecimento da ordem na natureza. Urgentes providências quanto a devastação que está ocorrendo em área rica em nascentes, na imediações das obras do Residencial”, ressaltou.

 

Nascente do Jardim Aeroporto

O vereador também denunciou uma devastação que está ocorrendo em área rica em nascentes, nas imediações das obras do Residencial “Milton Severino”, no Jardim Aeroporto “Milton Severino”, no Jardim Aeroporto.

Dú Segurança acredita que é muito grave o que tem acontecido nas áreas com vegetação nativa e nascentes. “Sabemos que, a médio prazo, o preço da devastação e as consequências desastrosas para as gerações futuras, são infinitamente maiores, do que as medidas protetivas que devem ser adotadas em situações como esta”.

SAMSUNG CAMERA PICTURES
Devastação e está ocorrendo nas proximidades das nascentes

Segundo o parlamentar a sociedade precisa entender a gravidade que é destruir a fonte de vida que é a natureza, pondo em risco nascentes que deveriam ser utilizadas no abastecimento de água para toda uma população de quase 130 mil habitantes, considerando ainda a problemática da falta de água, a crise hídrica enfrentada pelo Município.

Por ser urgente a questão é exige-se que medidas rápidas e drásticas sejam tomadas para impedir imediatamente o avanço da devastação que está ocorrendo nas proximidades das nascentes, soterrando­as com lixo, entulho e águas fluviais desviadas que provocam a erosão. “É preciso também que se puna os responsáveis e os penalize com medidas que os faça tentar, ao menos, restabelecer o que já foi destruído sem o menor cuidado”.

Dú Seguraça ressaltou que este é realmente um quadro devastador, pois a distância entre a estrada e as nascentes era extensa, funcionando como uma proteção natural. “Mas, hoje a situação é crítica com árvores centenárias sendo derrubadas sem o menor pudor e a margem de proteção sendo consumida também pela erosão”.

Por fim, o vereador sugere que devem constar no mapeamento dos órgãos ambientais da Prefeitura, sejam protegidas ao extremo, pois a água é a fonte de vida e devem ser protegidas muito mais que “minas de ouro”, pois ouro não se bebe e nem se come, enquanto sem água, não há vida. “Á água que corre nestas nascentes (minas) deveria ser armazenada, inclusive, para que a cidade enfrentasse as fases de estiagem”.

 

Resposta ao vereador

No final da tarde de ontem, dia 21, Dú reuniu-se com o Secretário Municipal de Planejamento, Gestão e Mobilidade, Fábio Augusto Franco e com a Secretária de Urbanismo, Sandra Helena Orzari Milaré, para tentar resolver o problema.

Durante a reunião o secretário apresentou o projeto completo das obras que estão sendo realizadas nas proximidades da área de proteção ambiental (nascentes) e disse que está tudo licenciado e aprovado pela Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, ligada à Secretaria do Meio Ambiente do governo paulista) e que todos os cuidados serão tomados para que a rica nascente que existe lá seja preservada. “Tanto que para o evitar o impacto do escoamento das águas fluviais das obras, elas serão contidas  quase que totalmente e escoadas gradualmente por meio de um piscinão e também de uma escada hidráulica em direção diferente das nascentes, evitando-se a erosão e o comprometimento das nascentes”, afirmou Dú.

Quanto ao aterro clandestino (“em formação”), a Secretária Sandra se comprometeu, segundo o vereador, a conversar com o proprietário ou responsável da área onde está sendo lançado aquele grande volume de entulho e lixo, antes de tomar qualquer medida. “Ela também está apurando os responsáveis pelo despejo. Deste modo, o vereador ainda aguarda um posicionamento sobre quando e como o problema será resolvido (quando todo aquele lixo será recolhido e conduzido a um destino certo, ou seja, ecologicamente correto)”.

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*