Manifestação contra a corrupção
Manifestação contra a corrupção
Manifestação contra a corrupção
Manifestação contra a corrupção
Manifestação contra a corrupção
Manifestação contra a corrupção

Organizadores da “Mega Manifestação – Fora Presidente Dilma Rousseff” divulgaram que cerca de 5 mil pessoas participaram do evento no último domingo, dia 13. A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Civil avalia que cerca de 1 mil pessoas manifestaram-se em Araras.

A expectativa dos organizadores era que cerca de 1 mil pessoas participassem do evento que teve como concentração a Praça Barão de Araras, em frente da Basílica Nossa Senhora do Patrocínio, de onde caminharam pelas principais ruas da cidade.

O movimento dos manifestantes foi acompanhado de perto pela Secretária de Segurança Pública e Polícia Militar para garantir a segurança de todos. Segundo as forças de segurança toda a manifestação foi tranquila.

De acordo com um dos organizadores, Élcio Rodrigues Júnior, ocorreu tudo tranquilamente e todos puderam protestar e se manifestar na mais perfeita ordem. “Não houve nenhum incidente, tudo pacificamente. A parte mais emocionante da manifestação foi à hora que todos cantaram o hino nacional. Esperamos que através disso os parlamentares que votarão o impeachment se conscientizem e fiquem do lado da população”, ressaltou.

Ao menos 337 cidades de todos os estados do país registraram atos contra a presidente; devido ao grande volume de municípios, parte deles só foi incluída na segunda-feira, 14. A PM divulgou que 3,6 milhões foram às ruas, já os organizadores 6,9 milhões.

Diante da repercussão da manifestação, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com aval dos deputados da oposição, vão tentar levar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff ao plenário da Casa cerca de 20 dias após a criação da comissão que dará parecer sobre eventual afastamento da petista. O prazo para a análise do processo pelo colegiado é de 15 sessões. A ideia de deputados do Solidariedade e do PSDB é fazer sessões às segundas e sextas, além das que tradicionalmente ocorrem às terças, quartas e quintas.

O Supremo Tribunal Federal (STF), o recurso apresentado pela Câmara contra a decisão da Corte de barrar o rito do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff que havia sido definido no ano passado pela direção da casa legislativa.

 (Maria Gabriela Córnia)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*