Paulo Eduardo da Silva tinha 35 anos de idade, era casado, pai de uma filha e estava na GM desde 2004  Crédito: reprodução
Paulo Eduardo da Silva tinha 35 anos de idade, era casado, pai de uma filha e estava na GM desde 2004
Crédito: reprodução

Dois homens foram vítimas da violência neste último sábado, dia 3. O guarda municipal Paulo Eduardo da Silva, de 35 anos, foi morto a tiros enquanto fazia um “bico” em um comércio no José Ometto 2. Já o cabeleireiro Saulo Rocha de Faria Silva, de 26 anos, também foi vítima de disparos de arma de fogo em seu próprio estabelecimento comercial. Os fatos tiveram um intervalo de apenas 4 horas, também no mesmo bairro e avenida (Presidente Vargas).

Nossa reportagem entrou em contato com a Polícia Civil de Araras, que só se pronunciará oficialmente hoje, dia 6. A pergunta mais ouvida ontem, dia 5, pelo órgão de segurança era sobre a ligação dos crimes.

 

GM sofreu cerca de 10 tiros

Casado, pai de uma menina, e na corporação desde 2004, Duzão, como era conhecido o GM assassinado, foi morto com cerca de 10 tiros, inclusive disparos que atingiram seu rosto. O fato ocorreu no sábado, dia 3, por volta das 16h35. De acordo com o boletim de ocorrência, o guarda estava fazendo um bico como segurança no estabelecimento comercial no momento do crime.

Ainda segundo o B.O, dois homens desceram de uma motocicleta, de cor branca, e entraram no estabelecimento, sendo que um deles armado com uma pistola, começou a atirar no GM. A Polícia encontrou 12 cápsulas deflagradas no local e dois projéteis de um armamento que aparentemente possa ser de uma 9mm, armamento restrito.

As primeiras autoridades a chegarem no local do crime foi a Guarda Municipal, que alegou que no momento em que se depararam com a vítima ela já estava sem vida com as marcas de disparos, inclusive no rosto e braços, demonstrando tentativa de defesa. Além disso a arma do GM não foi encontrada com ele, o que faz com que a polícia conclua que foi levada pelos criminosos.

Cabeleireiro foi morto em seu próprio salão

Saulo foi morto a tiros em seu próprio estabelecimento comercial  Crédito: reprodução Facebook
Saulo foi morto a tiros em seu próprio estabelecimento comercial
Crédito: reprodução Facebook

Conhecido como “Saulinho”, o cabeleireiro foi morto, também a tiros, por volta das 20h40, cerca de quatro horas após a morte do GM. De acordo com o boletim de ocorrência, um vizinho ouviu os disparos e foi até o salão e encontrou a vítima caída e com perfurações à bala, e então o levou para o hospital, entretanto Saulinho já chegou sem vida.

Testemunhas, que não quiseram se identificar, disseram à Polícia Civil que momentos antes da morte do cabeleireiro viram um homem encapuzado entrar no local, mas não há mais detalhes no boletim de ocorrência. Ainda segundo a polícia, Saulo não possuía ficha criminal, diferente de boatos que circularam nas redes sociais, que inclusive diziam que havia tido uma troca de tiros entre a vítima e policiais.

O corpo do cabeleireiro foi sepultado no último domingo, dia 5, no Cemitério Municipal de Araras, ele era solteiro.

(Lucas Neri)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*