Os ministérios da Educação e da Saúde informaram ontem, dia 10, que autorizaram a abertura de 2.290 vagas para alunos de medicina em instituições particulares de dez estados do país. Em Araras foram 55 vagas e a Faculdade São Leopoldo Mandic deve ser a mantenedora, uma vez que ganhou a seleção.

Segundo as normas do Programa Mais Médico dez por cento das vagas devem ser concedidas com bolsas voltadas para estudantes de baixa renda com o objetivo de garantir atendimento aos 36 municípios considerados prioritários pelo governo.

Para o prefeito Nelson Dimas Brambilla (PT – Partido dos Trabalhadores), esse momento é histórico para Araras. “Vencemos essa batalha contra muita gente que não acreditava que poderíamos realizar o sonho do estadista Hermínio Ometto, me empenhei muito nesses dois aos na certeza de que a cidade ganhará em todos os aspetos com a instalação do curso de medicina. Virão estudantes de todo o Brasil, o que deve gerar mais empregos com a movimentação do comércio local”, completou.

Pelo primeiro edital do Mec publicado em abril a Cruzeiro do Sul Educacional S.A. foi a primeira colocada no processo seletivo, a segunda colocada foi a Sociedade Regional de Ensino e Saúde S/S Ltda (Faculdade São Leopoldo Mandic) e em terceiro vem o Instituto de Ensino Superior Presidente  Tandredo de Almeida Neves Ltda. Contudo, a classificação estava sujeita a alterações em virtude da análise das respostas às diligências a serem instauradas e da realização das demais etapas de análise.

No total 205 municípios manifestaram interesse em sediar os cursos e 154 encaminharam a documentação solicitada. Foram pré-selecionadas, na primeira etapa, 49 cidades. Destas, 39 preencheram os requisitos para receber os cursos – outras sete têm prazo de seis meses para se adequar. O processo de seleção e avaliação dos municípios, realizado por uma comissão de especialistas, sob a coordenação da Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres), começou em outubro de 2013.

O município de Araras possui estrutura composta por 23 PSFs, 4 UBSs (Unidades Básicas deMinistro-cor Saúde), o Caem (Centro de Atendimento de Especialidades Médicas) “Nelson Salomé”, além dos hospitais “São Luiz” e “Elisa Sbrissa Franchozza”, que atendem à rede pública, e da UPA (Unidade de Pronto-atendimento), que está sendo implantada no hospital municipal

Para conseguir a implantação, um compromisso de cooperação foi assinado com a finalidade de reforçar a união entre os municípios de Araras, Leme, Conchal e Pirassununga, disponibilizando inclusive espaços e serviços de saúde para a formação pedagógica de profissionais e alunos do curso de medicina para complementação dos ensinamentos práticos, auxiliando nos atendimentos e melhorando a estrutura da saúde pública das cidades.

 

Limeira é desclassificada

Em setembro, uma lista de 39 municípios foi anunciada, mas, segundo o MEC, três deles (São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, Limeira, em São Paulo, e Tucuruí, no Pará) foram retirados da lista por não atenderem aos critérios de qualidade.

Segundo o MEC vários fatores podem ter contribuído para a desclassificação. “Seja por sustentabilidade financeira, capacidade da mantenedora, ou por mérito da proposta. Eles participarão de uma nova seleção de propostas, não dependem de novo edital, não terão que esperar anos, poderão apresentar novas propostas”, explicou o ministro da Educação Renato Janine Ribeiro.

As instituições que não foram contempladas na lista anunciada pelo governo poderão entrar com recurso contra a decisão. O resultado final, considerando os recursos, sairá em 28 de agosto.

 

Gente & Fatos

Na última quarta-feira, dia 8, o diretor do Opinião, jornalista Valentim Viola, em sua coluna diária disse que, embora estivesse faltando informação sobre a Faculdade de Medicina de Araras, “informação segura de Brasília” lhe garantira que a faculdade sairia.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*