: “Ferro velho” situado na Rua Presidente Juscelino Kubitscheck, no bairro Narciso Gomes, zona sul da cidade.
: “Ferro velho” situado na Rua Presidente Juscelino Kubitscheck, no bairro Narciso Gomes, zona sul da cidade.

Preocupados com a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da Dengue, Chikungunya e o Zika Vírus – que vem alarmando não só os ararenses, mas todo o mundo – moradores procuraram à reportagem do “Opinião da Cidade”, telejornal da TV Opinião para denunciar a sujeira e poças de água espalhadas por todo um terreno em área particular, que funciona como uma espécie de “ferro velho”, na Rua Presidente Juscelino Kubitscheck, no bairro Narciso Gomes, zona sul da cidade.

De acordo com a população, no local podem ser encontradas garrafas plásticas, sacolas, geladeiras e carcaças de carros velhos entre outros materiais. “Há vários objetos jogados neste terreno. Tudo por aqui está uma imundice, inclusive o odor que pode ser sentido ao passar em frente. O problema não é reciclar e sim armazenar coisas velhas e antigas e não dar o fim nelas”, comentou Daniel Zutin, morador da região.

Daniel Zutin
Daniel Zutin

 

Fabiana Bueno de Oliveira
Fabiana Bueno de Oliveira

No bairro há mais de 30 anos vive Fabiana Bueno de Oliveira que relata mal cheiro, mato alto e até bichos que fazem parte da rotina de muita gente. Inclusive, ela tem até uma cobra guardada que entrou em sua casa dias atrás. “A minha filha estava tomando banho, começou a gritar e, até então, achei que fosse barata – que por aqui, inclusive é normal. Não se pode deixar nada de sujeita que eles caem em cima. Minha filha viu a cobra passar por baixo da porta, atravessar o cesto de roupa. Aí meu marido a matou e guardamos em um pote como prova. Fora aranha, rato, e também toda a sujeira. O proprietário, que é um senhor, coloca fogo em pneus, aí temos que tirar roupas do varal senão ficam todas pretas e sujas novamente”, contou.

João Rodrigues
João Rodrigues

Para o João Rodrigues, que mora no Narciso Gomes há cerca de 4 anos, a situação também se agrava tanto pela falta de atenção da Prefeitura, quanto dos moradores. Pois, segundo ele, tem muita gente ainda que não se conscientizou dos riscos. “Por ser uma área particular e também por conta de o proprietário ser muito teimoso, todo mundo é culpado. A Prefeitura que parece que não vê o problema, o proprietário que não está nem ligando pelos casos de Dengue e os próprios vizinhos aqui perto. É que eles costumam também jogar muita coisa neste terreno. Todo mundo é culpado”, disse.

José Cavalcante Mascarenhas
José Cavalcante Mascarenhas

O José Cavalcante, que também mora nas proximidades, tem um motivo a mais para se preocupar. É que já foi presidente do bairro por dois anos e há tempos – desde 1982 já vem lutando para que o local fosse limpo.  “Fiquei, inclusive, 3 anos no orçamento participativo e esse terreno foi indicado numa reunião, pois já tem um projeto na Prefeitura de Araras para ser parque, creche ou escola. Como o ex-prefeito deixou o atual não deu sequência. Fiquei sabendo que a Secretaria de Educação tinha a verba para construção. O arquiteto Fábio Augusto Franco, secretário municipal da Prefeitura, me mostrou o projeto.

A reportagem do telejornal “Opinião da Cidade” procurou o proprietário do terreno que não foi encontrado. Já a Prefeitura de Araras informou que o local foi vistoriado ontem, dia 17, pelos agentes responsáveis pelo ponto estratégico. Porém, até o fechamento desta edição, a Administração Municipal não divulgou detalhes sobre o caso.

Ramon Rossi

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*