Negativa do seguimento do pedido de liminar de Pedrinho proferida por Celso de Mello.

Até ontem esta publicação, o TRE do Estado de São Paulo ainda não havia informado o Cartório Eleitoral sobre a data do pleito

O prefeito Pedro Eliseu Filho (PSDB) protocolou no sábado (12), por meio de seu advogado Michel Saliba Oliveira, pedido de liminar junto ao Supremo Tribunal Federal com relação ao indeferimento de seu registro e de seu vice, Luiz Emílio Salomé (PSDB), referente ao pleito de 2016, no qual foram vitoriosos e governavam a cidade, até então, amparados por liminar concedida pelo TSE, então presidido pelo ministro Gilmar Mendes, em dezembro daquele ano. Ontem (16) o ministro Celso de Mello, do Supremo, foi quem negou o novo pedido de liminar de Pedrinho, declarando: “Em face do exposto, entendo que tais considerações revelam-se suficientes para justificar, no caso, o não acolhimento da pretendida concessão de tutela provisória de urgência, razão pela qual nego seguimento à presente demanda (CPC, art. 932, VIII, c/c o RISTF (Regime Interno do STF), art. 21 § 1º)”.

Com isso, Araras terá eleição suplementar. Mas até ontem, por volta das 18 horas, o Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo ainda não havia informado o Cartório Eleitoral sobre a data do pleito. E nos próximos dias, o juiz da 14ª Zona Eleitoral da Comarca de Araras, Rodrigo Peres Servidone Nagase, deverá notificar o presidente interino da Câmara Municipal, vereador Carlos Alberto Jacovetti  (Rede), para assumir o Governo no período que antecede o pleito suplementar.

Ainda ontem à noite, no calendário das eleições suplementares 2018 do Tribunal Superior Eleitoral constavam pleitos em quatro municípios paulistas – Santa Cruz das Palmeiras, Pirapora do Bom Jesus, Bariri e Turmalina – para 3 de junho. Rio das Ostras, cidade litorânea no interior do Estado do Rio de Janeiro, cujo prefeito Carlos Augusto Balthazar (MDB) teve o mandato cassado pelo TSE em 10 de abril, terá nova eleição para o cargo dia 24 de junho. O Recurso Especial Eleitoral de Eliseu Filho e Luiz Emílio foi analisado e indeferido pelo TSE em 19 de abril, tendo como relator o ministro Jorge Mussi.

Enquanto é aguardado o regramento da nova eleição e quem dela poderá participar, nomes como os de Irineu Maretto (PSD), Mário Corrochel Neto (Bonezinho/PTB) são ventilados como candidatos à chefia do Executivo. Nas redes sociais, post foi inserido por uma “candidata” filiada ao PSL expondo seu currículo para averiguar a reação dos eleitores sobre um possível apoio.

 

COMPARTILHAR