Diferenças genéticas podem ser a chave para explicar o desenvolvimento da Zika em bebês

Foi o que revelou estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo e do Instituto Butantan, publicado pela revista científica “Nature Communications”.

Segundo Mayana Zatz, uma das coordenadoras do estudo, é a primeira vez que o DNA é associado ao desenvolvimento da doença.

A pesquisa analisou três pares de gêmeos não idênticos, dos quais apenas um foi afetado pela Zika ainda na barriga da mãe.

A Zika pode deixar graves sequelas neurológicas. A síndrome congênita contraída durante a gestação tem efeitos como a microcefalia, que é o cérebro bem menor que o normal, deficiências visuais, auditivas e complicações cerebrais.

Mais Notícias

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*