Líderes religiosos suspeitos de escravizar fiéis estão na mira da Polícia Federal

Operação Canaã deflagrada na terça-feira em Minas, São Paulo e Bahia busca envolvidos em organização criminosa, tráfico de pessoas, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Os acusados são membros da seita Jesus, a Verdade que Marca. Ao todo, são 22 mandados de prisão preventiva, 17 mandados judiciais de interdição de estabelecimentos comerciais e outros 42 mandados de busca e apreensão.

A operação quer investigar a participação dos dirigentes no convencimento de pessoas, pelo uso da fé, a doar todos os bens para as associações da organização criminosa.

Segundo a PF, os fiéis eram doutrinados e levados para áreas rurais e centros urbanos afastados e submetidos a jornadas extensas de trabalho sem remuneração.

Além da lavoura, eram obrigados a trabalhar em oficinas mecânicas, postos de gasolina, pastelarias e confecções. Se condenados, a pena para os líderes da seita pode chegar a 42 anos de prisão.

Mais Notícias

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*