Luiz tinha 62 anos e seu corpo foi sepultado no último domingo (9), no Cemitério Municipal de Araras. (Foto: Arquivo pessoal/Facebook)

Luiz Aparecido Franco teve 100% do corpo queimado em um incêndio a residência na madruga do último dia 7, no Jardim Versalhes

A Polícia Civil de Araras pediu a prisão temporária da esposa do idoso que morreu após ter 100% do corpo queimado em um incêndio a residência no Jardim Bosque de Versalhes. A mulher é suspeita de atear fogo no próprio marido.

O caso aconteceu na madrugada do último dia 7, quando um vizinho teria ouvido gritos da vítima e ao precisar arrombar duas portas do imóvel encontrou Luiz Aparecido Franco tomado pelas chamas. O idoso de 62 anos foi socorrido pelo rapaz e levado pelo Samu ao Hospital São Luiz, mas não resistiu e faleceu na noite do último sábado (8).

De acordo com o Boletim de Ocorrência, o vizinho relatou que Luiz estava sozinho na casa. Uma filha do idoso relatou aos policiais que o casal dormia em quartos separados e que a mulher a teria procurado para pedir ajuda sobre o ocorrido, e depois não foi mais localizada.

Após a morte de Luiz, seu corpo foi levado para o IML (instituto Médico Legal) de Limeira e peritos constaram que havia hematomas em sua cabeça. A perícia retornou à residência na tarde de ontem para examinar se há possíveis sinais de que o idoso teria sido agredido, antes de ter o corpo incendiado.

Até que as investigações sejam concluídas, a Polícia Civil pediu a prisão temporária da mulher, ao qual deverá ficar presa provisoriamente se o pedido for acatado pela Justiça.

O corpo de Luiz foi sepultado no último domingo (9), no Cemitério Municipal de Araras.

Outras notícias

COMPARTILHAR