Provas acontecem nos dias 4 e 11 de novembro; Candidatos terão no máximo 10 horas e meia para resolver as questões e desenvolver a redação

Faltam menos de 30 dias para um dos exames mais esperados pelos alunos do ensino médio. Nos dias 4 e 11 de novembro acontecem as provas do Enem 2018 (Exame Nacional do Ensino Médio). A avaliação, que é dividida em dois dias, necessita de uma preparação que vai além do conhecimento e também do mental e físico, já que ao todo, são quase 11 horas de duração.

Sabendo das dificuldades e curiosidades que alguns alunos de Araras têm sobre a realização do exame, a reportagem do Opinião conversou com o professor Maurício Tangerino, do Colégio Liceu Anglo Araras – instituição na qual obteve o melhor desempenho por escolas na edição de 2017 do Enem na cidade – sobre dicas para um melhor desempenho no exame.

Assim como na edição anterior, as provas deste ano serão aplicadas em dois domingos (4 e 11) do próximo mês e, segundo o docente, esta mudança pode ajudar o candidato no desempenho da avaliação. “Vale lembrar que esta decisão foi tomada ouvindo os próprios participantes por meio de consulta pública, portanto, conclui-se que de forma geral, os beneficia, pois devido ao formato da prova, há um desgaste intenso para sua elaboração, por isso o período de uma semana entre uma prova e outra serve para que o candidato se organize e faça uma prova com maior segurança, acarretando em benefício físico e mental”, explicou. “E neste intervalo de uma semana entre uma prova e outra, o ideal é que se faça uma revisão daqueles pontos que não foram totalmente dominados durante o percurso do Ensino Médio na área das exatas. E para isso, pode ser utilizado como norteadores os resultados das provas e simulados elaborados durante todo ano, principalmente aqueles obtidos nos últimos meses, já que estes dão um panorama mais completo sobre o conteúdo geral envolvendo a grade curricular do Ensino Médio”, completou Tangerino.

Já para as questões das disciplinas que cairão no exame, ele recomenda que o aluno tenha muita atenção ao respondê-las. “É importante começar identificando o gênero textual que envolve a questão, bem como diferenciar o que é fato de opinião. Basicamente, o que tiver comprovação é fato e o que pode ser questionado envolve uma opinião. O contexto sempre deve ser considerado, inclusive para o reconhecimento daquelas palavras ‘desconhecidas’, as quais devem ser comparadas às outras presentes no texto. Procurar sempre extrair a ideia central presente na questão (texto).  Por fim, entender que alguns textos deixam explícitas as causas e as consequências, já em outros se faz necessário recorrer ao conhecimento de mundo”, ressaltou. “Detectada a dúvida, é aconselhável marcá-la para facilitar a localização no momento de retornar a ela, porém, persistindo a dúvida, o único caminho é chutar. Deixar em branco nunca é recomendado”, reforçou o professor.

O professor Maurício Tangerino, do Colégio Liceu Anglo Araras, deu dicas para realização do exame que acontece em novembro. (Foto: Divulgação)

Por fim, em redação, o docente deu dicas para o desenvolvimento do texto. “Uma sugestão é evitar começar a prova pela redação. Durante o exame, pode-se encontrar fragmentos e ideias que subsidiem a elaboração do texto. O Enem pede sempre um texto dissertativo argumentativo, e ao deixar para fazer a redação no fim, o aluno tem informações que podem ser usadas de maneira intertextual, algo que pode ser positivo no momento da correção, já que pode configurar um indivíduo com um pensamento crítico. A interdisciplinaridade também é algo que pode ser aproveitado para a redação durante a elaboração das questões”, destacou. “Planejar o tempo para o projeto do texto, o chamado rascunho; é nele que se tem a oportunidade de rever as falhas, sejam gramaticais, de coesão e de coerência, principalmente. No mínimo uma hora para se produzir todo o texto, incluindo o rascunho, se faz necessário”, concluiu Tangerino.

Maurício, que além de professor de gramática, também é coordenador pedagógico no Ensino Médio do Colégio Liceu Anglo Araras, indicou algumas possibilidades de temas de redação para o Enem deste ano. Confira:

  • A política brasileira;
  • A população em situação de rua no Brasil;
  • A prática do bullying e cyberbullyng nas escolas brasileiras;
  • A sobrevivência da cultura indígena;
  • As fake news e seus impactos;
  • Escravidão contemporânea e seus efeitos;
  • O aumento de dst’s entre os jovens brasileiros;
  • O esporte como ferramenta de inclusão social no Brasil;
  • Os atuais modelos de famílias;
  • Os desafios do sistema carcerário brasileiro;
  • Os obstáculos para doação de órgãos no Brasil;
  • Resíduos urbanos, reciclagem, energia limpa;
  • Violência contra a mulher.

Nos dias de prova

O Enem deste ano será dividido em dois domingos. No primeiro, os candidatos terão cinco horas e meia para fazer as provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias / Redação / Ciências Humanas e suas Tecnologias. Já no segundo, serão cinco horas para as de Ciências da Natureza e suas Tecnologias / Matemática e suas Tecnologias.

E para uma maior tranquilidade em ambas as datas, Tangerino deu algumas dicas aos candidatos que farão a prova. “No dia da avaliação, não é hora mais de estudar e nem de rever qualquer conteúdo. É muito importante que no dia anterior, no sábado, se dedique a atividades que relaxem o corpo e a mente e que à noite se tenha um sono reparador e proveitoso. Nada de balada ou festa! Também deve se optar por uma alimentação leve e trivial, já que qualquer deslize neste aspecto, associado ao estresse, pode acarretar em prejuízo físico”, salientou. “Na hora da prova e em posse do caderno de questões uma dica é não abri-lo imediatamente. Dedicar alguns segundos para se preparar psicologicamente, pode evitar um pico de estresse, algo comumente esperado em início de provas de grande importância como é o caso do Enem Logo em seguida, ir para as questões daquelas disciplinas em que se tem mais facilidade, portanto que se tem certeza do domínio, as quais irão exigir menos tempo para resolvê-las. Isso pode aumentar a confiança durante a prova e igualmente o entusiasmo para as demais horas de exame, mas é importante intercalar com questões daquelas matérias que exigem mais da atenção enquanto ainda está descansado”, finalizou o professor.

Por César Foguel

 

COMPARTILHAR