O ararense Sergio Luiz Leite discursa durante a Campanha Salarial e Social cuja data-base é 1º de novembro
O ararense Sergio Luiz Leite discursa durante a Campanha Salarial e Social cuja data-base é 1º de novembro
O ararense Sergio Luiz Leite discursa durante a Campanha Salarial e Social cuja data-base é 1º de novembro

Para fortalecer as negociações coletivas na Campanha Salarial e Social, cuja data-base é 1º de novembro, líderes da Fequimfar (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo), filiada à Força Sindical e à CNTQ (Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico), em unidade com a Fetquim (Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico de São Paulo) / CUT (Central Única dos Trabalhadores) entregaram ontem (25) a pauta de reivindicações dos trabalhadores do setor industrial químico aos representantes patronais da Ceag (Comissão de Estudos e Assessoria do Grupo)-10 da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). “Nesta campanha nossa luta é pelo reajuste e aumento dos salários, valorização do piso salarial e PLR (participação nos lucros e resultados), e custeio sindical para fortalecimento da negociação coletiva. Daremos continuidade na construção de cláusulas que beneficiem os trabalhadores da categoria, fortalecendo e modernizando as relações de trabalho e mantendo conquistas já garantidas em convenção coletiva”, disse Sergio Luiz Leite, Serginho, presidente da Fequimfar e 1º secretário da Força Sindical.

 

Pauta de reivindicações

– Reajuste salarial: inflação + 2% de aumento real

– Piso salarial de R$ 1.650,00

– PLR no valor de 2 Pisos Salariais

– Piso do técnico químico: R$ 2.200,00

– Cartão alimentação: R$ 160,00

 Reunião com Alckmin

Serginho expõe para o governador Geraldo Alckmin a necessidade de editar uma Medida Provisória que modifique pontos da reforma trabalhista
Serginho expõe para o governador Geraldo Alckmin a necessidade de editar uma Medida Provisória que modifique pontos da reforma trabalhista

Na noite de quinta-feira (21) os líderes da Força Sindical se reuniram com o governador Geraldo Alckmin quando trataram dos efeitos da reforma trabalhista nos direitos dos trabalhadores, bem como o desequilíbrio das relações capital e trabalho com as mudanças na estrutura sindical. “Reivindicamos apoio do governador para a edição e aprovação de uma Medida Provisória que modifique pontos da reforma trabalhista e fortaleça a estrutura sindical”, disse Serginho.

“Neste momento em que a nova lei trabalhista vai vigorar, temos uma responsabilidade muito grande na construção, valorização e fortalecimento de nossa Convenção Coletiva de Trabalho a fim de fazer valer nossos direitos.”

Edson Dias Bicalho, Secretário geral da FEQUIMFAR e Presidente do Sindicato dos Químicos de Bauru e Região

“Nossos esforços são para que possamos garantir e assegurar a toda categoria uma condição mais digna de trabalho e uma qualidade de vida melhor.”

Antonio Silvan Oliveira, Presidente da CNTQ (Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico) e presidente do Sindicato dos Químicos de Guarulhos e Região.

“No atual contexto, é importante resistir para que possamos manter as conquistas já alcançadas ao longo dos anos em Convenção Coletiva. Para isso, será preciso muita mobilização e esclarecimentos nas portas das fábricas a fim de estabelecer a união em defesa de direitos e conquistas.”

Jurandir Pedro de Souza, diretor financeiro da FEQUIMFAR e presidente do Sindicato dos Químicos de Itapetininga

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*