Na luta contra o crime, delegada de Araras já abdicou da diversão em busca do sonho profissional

Após experiências adquiridas em outros cargos, Amanda então foi convidada a vir para Araras assumir a Delegacia da Mulher

Festas, lazer e tempo com os familiares e amigos, essas são algumas das atividades que não estavam entre os afazeres da doutora Amanda, que até 2012 ainda não estava no cargo policial, em compensação o estudo era sua atividade favorita. “Foi uma grande realização e uma conquista, pois eu abri mão de muitas coisas para poder estudar, como fins de semana, estar com a família. O que por outro lado ter conseguido passar no concurso traz uma satisfação imensa ao conquistar esse sonho”, disse a delegada.

Natural de Ituverava/SP, Amanda se formou em direito na cidade de Franca/SP, de lá retornou a sua cidade natal onde exercia sua profissão de advogada, entretanto em meio a casos, tanto civis e criminais a futura delegada percebeu que defender possíveis bandidos não era com ela, e acusa-los seria mais seu perfil. “Eu vi que não era minha vocação defender criminoso, mas sim acusar, então foi a partir daí que decidi prestar concurso”, explica.

Antes de se tornar delegada, Amanda passou em um concurso para escrivã policial e enquanto ainda estava no treinamento do curso da Academia de Polícia decidiu estudar para se tornar uma delegada. “Atuei aproximadamente oito meses como escrivã em Ituverava até ser convocada a se tornar uma delegada. Fiquei super feliz, foi uma realização”, conta.

As primeiras atuações da então delegada aconteceram em Itaquera na São Paulo/SP, local conhecido como a casa da equipe de futebol Corinthians e também como sede do primeiro jogo da Copa do Mundo 2014, a região também é lembrada por altos índices de violência, assim como toda a zona leste da paulistana. “Fiquei em Itaquera um ano e meio, eu era assistente no 64º DP (Departamento de Polícia) até ser transferida para Iracemápolis/SP como delegada titular”, falou.

Após experiências adquiridas em outros cargos, Amanda então foi convidada a vir para Araras assumir a Delegacia da Mulher. O convite veio através do delegado titular do município, Sidney Urbach. “Eu já tinha pretensões de trabalhar nesse meio até ser convidada pelo próprio Dr. Sydney”, contou.

Amanda está desde junho do ano passado no cargo em Araras. Recentemente a DDM deixou de ser sede na Delegacia de Polícia Civil na avenida Dona Renata (Marginal) e atualmente tem sede própria na rua Tiradentes. O local é apropriado para o atendimento à mulher, inclusive com um espaço reservado para as crianças brincarem.


 

Primeira-dama Elaine Brambilla se dedica a ajuda ao próximo, família e política

Elaine (5)-COR

O porte delicado contrasta com a determinação de Elaine Maria Ferreira da Silva Brambilla, a primeira-dama de Araras. Inteligente e sintonizada com a realidade e as possibilidades para sempre melhorar a cidade de Araras, em que nasceu, ela construiu sua personalidade sensível e acolhedora, consolidando-se como a primeira-dama referência de vida para aqueles que mais precisam.

Biomédica e instrumentadora cirúrgica, é entusiasta das propostas que empreende à frente do Fuss (Fundo Social de Solidariedade).

Versátil, transita com igual desenvoltura das atividades públicas para os compromissos com os amigos e principalmente com a família, o marido Nelson Dimas Brambilla (PT), prefeito de Araras e os filhos Renata e Gustavo em especial, junto aos quais é presença das mais sábias. Aberta ao diálogo, ao conhecimento, à multiplicidade e à diversidade, Elaine Brambilla é síntese de sensibilidade, confiança, persuasão e realização.

Sua ideia básica é em frente ao Fuss incentivar a população a se autopromover por meio dos muitos projetos oferecidos pela administração. Também faz jus à legislação do país que assegura o direito à acessibilidade, dotando todos os segmentos de chances iguais na aquisição de próteses para deficientes auditivos.

Às gestantes atribui atenção diferenciada, destinando-lhes orientações e um Kit Bebê, além de creditar-lhes homenagem no mês de maio, oferecendo enxoval completo ao recém-nascido cuja mãe for a primeira a dar à luz nesta data pelo Sistema Único de Saúde. Ainda, na ocasião, são doadas inúmeras peças à Maternidade Condessa Marina Crespi do Hospital São Luiz, iniciativa esta desempenhada com a colaboração das integrantes do Projeto Terceira Idade.

Agasalhos e cobertores são itens da campanha que mobiliza todo o município, fundindo solidariedade e seriedade. A campanha é realizada anualmente é procura acolher os mais necessitados do frio.

A terceira idade também merece respeito e carinho singulares e agregar parcerias para tornar seu dia, comemorado em 1 de outubro, um ícone entre as melhores lembranças é questão prioritária para a primeira-dama que comemora, com muita alegria, a conquista do Centro Conviver para Idosos, espaço aguardado com expectativa e perspectivas das mais positivas por todos os ararenses.

Elaine (3)-COR

Brincar é preciso, por isso o Dia da Criança une diversão e atividades pedagógicas. O Projeto Guirlandas, cujo ápice ocorre toda quarta quinta-feira de novembro, Dia de Ação de Graças, dá as boas-vindas ao Natal designando recursos arrecadados a entidades assistenciais. A profundidade da data maior da cristandade ganha momentos de inigualável contentamento com a distribuição de brinquedos no Natal Rural.

Eventos concretizados na praça Barão de Araras, entre os quais Festa Junina e Festival Café & Chocolate, associam cultura e entretenimento à comunidade e a eles Elaine atribui empenho e seu know-how para que ocorram com eficiência. Educar é um processo contínuo, perenizar hábitos aprendidos com o suceder das gerações, preservar o meio ambiente e valorizar a sobrevivência por meios naturais são conceitos que encontram eco na visão da primeira-dama, que apoia integralmente o Projeto Horta Educativa.

Guerreira e comprometida com o bem estar do povo ararense, a primeira-dama já foi candidata a vereadora em 2004 e a deputada estadual em 2014.

Com a agenda repleta, cada dia significa uma oportunidade preciosa para fazer valer o direito e o bem-estar dos cidadãos. Receptiva aos anseios dos munícipes, a presidente do Fuss também faz visitas sociais e está sempre preparada para buscar e defender soluções para aqueles que as solicitam e para viabilizar suas metas de trabalho.

Elaine (1)-COR

“Costumo dizer que prefiro o trabalho de campo, junto com voluntárias, equipes de trabalho e pessoas que mais precisam. Gosto do contato com pessoas e do ‘olho-no-olho’ na hora de detectar problemas e trabalhar pelas soluções”, diz ela.

Elaine Brambilla sempre acreditou que a mulher tem plenas condições de atuar ombro a ombro com os homens para uma sociedade mais justa. “Nós temos tudo – conhecimento, vontade, capacidade, e ainda possuímos toda sensibilidade que só a mulher tem e que contribui ainda mais para vencermos desafios”, conclui.

 

 


Política: Magda é a primeira mulher presidente da Câmara de Araras na história

A vereadora Magda Regina Carbonero Celidorio (PSDC – Partido da Social Democracia Brasileira), olhando para trás, não imaginava que sua trajetória de vida seria vista hoje como inspiração para mulheres que lutam diariamente para conseguir mais respeito e oportunidades de trabalho. Com força, mas sem perder a delicadeza e a dedicação que é sua principal característica, Magda Enfermeira, como também é conhecida, hoje ocupa um dos cargos mais importantes do município, a de presidente da Câmara Municipal de Araras. “É um cargo que eu ocupo com muito prazer, mas é sempre um desafio. Ser mulher e presidente do Legislativo exige muita dedicação, por muitas vezes integral”, diz. Nesse dia a dia se divide nos papéis de vereadora, mãe, filha e esposa.

Nascida em Araras em 4 de junho de 1968, veio de família humilde e é filha do pedreiro Eugênio Carbonero e da dona de casa Amélia Vichietini Dente Carbonero. “Meus pais são sempre minha inspiração, por tudo que me proporcionaram. A educação sempre foi em primeiro lugar. Eles também me ensinaram a ter responsabilidade na vida”, afirma. Já com seu marido, o empresário Luiz Carlos Celidorio, está casada desde 19 de fevereiro de 1999. Dessa união o casal tem dois filhos: Vitória, de 13 anos, e Davi, de oito anos. “Minha família é meu porto seguro. Em todos os momentos difíceis que passei na vida, e também nos mais felizes, eles sempre estiveram presentes”.

A escolha da enfermagem como profissão não foi por acaso, e vem de encontro com seu desejo de ajudar as pessoas e cuidar do próximo. Em 1985 formou-se técnica em enfermagem pela Escola Canossianas, em Araras, e em 1996 graduou-se enfermeira, pela FHO/Uniararas, sendo pós-graduada em Centro Cirúrgico pela Uniban, de São Paulo. “Como enfermeira, nos vários plantões em hospitais, pude realmente ajudar quem mais precisa. Conheci muitas pessoas e muitas histórias que lembro até hoje”, relembra Magda.

Sua vida profissional foi iniciada bem antes, no comércio local, mas como enfermeira, além de trabalhar em hospitais de Araras e região, foi no consultório do saudoso médico ginecologista e obstetra Nelson Salomé, ex-vereador e também ex-deputado estadual, que sua carreira na área da saúde se consolidou ainda mais. “Com o Dr. Nelson eu auxiliava as gestantes em pré-natal e fazia o encaminhamento de pacientes. Ele foi meu verdadeiro professor e um ser humano iluminado. Me sinto realizada por conhecido uma pessoa como ele”, ressalta.

Com o Dr. Nelson, formou uma parceria não só de profissão, mas de vida, que durou cerca de 12 anos. Primeiramente, Magda atuava somente como enfermeira, mas com seu talento para assumir outras atribuições, ele passou a lhe delegar outras funções. “Eu trabalhei como assessora parlamentar dele, e com isso ele me influenciou a entrar carreira política”, diz.

Magda foi candidata em 2004 a vereadora em Araras, mas mesmo com a expressiva votação de 1.031 votos, não foi eleita. Ao se candidatar novamente em 2008, finalmente foi eleita com 850 votos. Naquele período, foi a única mulher que representou o Legislativo Municipal. A consolidação do seu trabalho e reconhecimento da comunidade veio nas eleições de 2012, quando foi reeleita com 1.090 votos. Em dezembro de 2014 foi eleita presidente da Câmara Municipal de Araras, para o biênio 2015/2016, posição que ocupa hoje com força e dedicação. “Eu sempre agradeço cada voto que as pessoas confiaram em mim”, afirma.

Um momento crucial em sua vida veio em 2012, quando, ao descobrir um câncer de mama, precisou tirar licença temporária perante ao INSS do seu cargo de vereadora. “Naquele momento, um dos mais delicados de minha vida, contei com o apoio dos amigos, da família, e de toda a comunidade ararense, assim como de meus eleitores. Recebi muito amor, até de pessoas que eu não conhecia”, agradece Magda.

O câncer foi vencido após tratamentos de quimioterapia, radioterapia e também uma cirurgia. Hoje, Magda vê aquele enfrentamento como uma luta pela vida, que foi vencida com muita dedicação, amor, fé e perseverança. Seu trabalho como vereadora, presidente da Câmara e cidadã é pela saúde, bem estar e segurança para toda a população de Araras. Além disso, atualmente é a única mulher e representante do seu partido, o PSDC, a assumir a presidência de uma Câmara Municipal no Estado de São Paulo. Também é 2ª vice-presidente do Aglomerado Urbano de Piracicaba/SP.


 

Motogirl supera dificuldades da vida sobre duas rodas

Motogirl Fernanda Cristina da Silva em sua moto Honda CB 300

Nascida em Santa Cruz do Capibaribe, em Pernambuco, Fernanda Cristina da Silva, 47 anos de idade, veio de São Paulo para Araras com 18 anos para passar uma semana com seu irmão e não voltou desde então. Após concluir o divorcio de seu casamento, Fernanda se viu em uma difícil situação para criar os filhos de 6 e 12 anos.

Segundo a pernambucana, uma amiga que trabalhava como motogirl no Moto Táxi Araras, explicou a ela como era sua rotina e profissão e a apresentou ao dono da Moto Táxi Ideal, o qual a contratou mesmo sabendo que ela era novata e tinha pouco conhecimento dos bairros da cidade. Conseguiu seu espaço pedindo pontos de referência e, hoje, com a ajuda de GPS. Sua rotina, apesar de trajetos diferentes a cada dia, é mais fácil agora por todo o conhecimento adquirido ao longo dos últimos 9 anos.

Há 35 anos morando na cidade, Fernanda conta que o início de sua carreira foi mais complicado, por conta de sempre ouvir comentários machistas. Mas, que hoje é mais tranqüilo, um comentário de vez em quando, mas todo mundo se respeita e Araras é uma cidade mais tranqüila para isso, por isso optou por continuar vivendo aqui e a criar seus filhos.

Sendo a única mulher no meio de 14 homens, a motogirl diz que o maior prazer de sua profissão é fazer amizade, ver o lado humano de cada um e mostrar que se importa.

Fernanda passou por um momento difícil em 2013, quando sua moto, e instrumento de trabalho, foi furtada na véspera de seu aniversário, em 17 de abril. Disse que voltou para Araras desesperada e ficou com medo, pensou em desistir, mas que não fez isso porque sabia que seus filhos dependiam dela.

Agora, proprietária de uma Honda CBR 300, de 2014, a motogirl afirma que seus clientes são 80% mulheres e que faz entregas para empresas, por elas confiarem mais na responsabilidade e segurança que a mulher representa.

Seus filhos, com 15 e 20 anos, têm muito orgulho de tê-la como mãe, batalhadora, principalmente. Fernanda disse fazer seu salário com suas corridas, sempre ter tempo para os filhos e casa por conta do horário flexível, que ela faz, mesmo trabalhando 12 horas por dia, 7 dias por semana.

Na atualidade, o número de mulheres que exercem essa profissão ainda é pequeno, porém, bem maior do que 15 anos atrás. “As mulheres se infiltraram nesse meio, mostraram que são capazes. É uma profissão bem mais valorizada do que antigamente, não acredito que um dia esse número se iguale, mas com certeza irá aumentar mais”, disse Fernanda sobre o crescimento da mulher em seu mercado de trabalho.

Quando questionada sobre o papel da mulher em sua profissão, Fernanda Cristina diz não ser fácil, que é “um trabalho pesado e expositivo ao clima, passar calor, tomar chuva…” Mas, que no final vale a pena, se você gostar do que faz e fazer aquilo porque precisa e ainda acrescentou: “Se você tem um objetivo na vida, não importa qual seja, ou se você é homem ou mulher, vá atrás, dê o seu melhor e se destaque”, finalizou.


 

Triathlon: Luísa Duarte afirma que apoio ao esporte masculino ainda é maior

Com uma carreira de muitas conquistas importantes, a atleta de Triathlon, Luísa Duarte, se dedica dia após dia para buscar seus objetivos dentro da modalidade, entre eles, representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de 2016 e brigar pela medalha na edição de 2020. Segundo a ararense, é preciso muito trabalho e dedicação para alcançar as metas.

“Realizo meus treinamentos junto à equipe do Sesi/SP todos os dias, incluindo domingos e feriados. Os treinos ocorrem em dois ou três períodos, pela manhã, próximo ao almoço e no final do dia. Uma vez por semana temos folga à tarde, mas mesmo assim treinamos duas vezes pela manhã e aos domingos”, frisou.

Luísa conheceu a modalidade em 2011 a convite de um amigo. Sua primeira competição foi o mini triathlon, realizado no mesmo ano, com provas de 400m de natação, 5 km de ciclismo e 2 km de corrida. Desde então, acabou “pegando gosto” pelo esporte e decidiu seguir carreira na modalidade, que logo depois começou a fazer parte da equipe do Sesi São Paulo.

“No começo foi muito difícil me adaptar à modalidade e também a uma nova vida logo que mudei para São Carlos, cidade onde realizo diariamente os meus treinamentos. Em três anos de prática, já coleciono títulos importantes como três nacionais, sendo dois na categoria sprint e um no standart. Também tem o sul-americano júnior e sub23, além da minha conquista mais recente, o Internacional de Santos”, comenta a ararense, que também ocupa o 2º lugar do ranking nacional.

Durante a entrevista ao Opinião Jornal, Luísa Duarte afirma que o apoio ao esporte feminino no Brasil ainda é muito pouco em relação ao lado masculino. “O que vemos hoje é a pouca participação de mulheres nos eventos esportivos, o apoio existe, porém é perceptível que os resultados são menos divulgados. Muitas vezes a maior repercussão fica para os homens”, explica.

Luísa Duarte ao lado da triatleta número um do ranking nacional, Pâmella Oliveira

 

A atleta conta que considera o apoio familiar muito importante e que é a base de todas as suas conquistas, desde o início de sua carreira até hoje, vem do incentivo de casa. Já sobre a sua maior referência feminina no Triathlon mundial, a ararense cita o nome da suiça Nicola Spirig, campeã olímpica em 2012, mas que tem várias vitórias no circuito mundial. “Em 2013 tive a oportunidade de treinar com ela e aprendi muito, pois vi como ela treina, se alimenta e recupera. Já atualmente, no triathlon brasileiro, a maior referência é a atleta Pâmela Oliveira”, finaliza.

Além de atleta, Luísa também é 2º sargento do Exército Brasileiro. Para a temporada de 2015, além das competições internacionais e nacionais, a triatleta também brigará por uma vaga nos Jogos Olímpicos de 2016 no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*