O tatu está internado no Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Foto: divulgação)

O animal sofreu queimaduras em 70% do corpo após incêndio que atingiu canavial às margens da rodovia SP-330 na última segunda-feira (30)

 

Entre os vários problemas, que uma queimada em área de mata traz ao meio ambiente, está a mortandade de animais silvestres que sobrevivem nesses locais, o que não fugiu a regra em Araras na última segunda-feira (30), onde uma extensa área de canavial pegou fogo e acabou vitimando animais, como um tatu resgatado com 70% do corpo queimado, que não resustiu aos ferimentos e morreu nesta quinta-feira (2).

A queimada, que ocorreu às margens da rodovia Anhanguera (SP-330), na altura do antigo Posto do Borsato, atingiu um tatu, que foi resgatado pela equipe de contensão das chamas, e levado ao Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) de Araras.

No entanto, mesmo sendo resgatado com vida, o tatu não resistiu. “Ele teve 70% do corpo queimado, fizemos o máximo para salva-lo aqui no Cras, todo mundo que trabalha aqui ficou muito sensibilizado com a situação e se esforçou muito para salva-lo”, contou a veterinária e coordenado do Centro, Fernanda Senter.

COMPARTILHAR