Douglas Martins de Oliveira - Unar
O coordenador Douglas Martins de Oliveira destaca que o “projeto pedagógico em desenvolvimento objetiva formação de profissionais autônomos e polivalentes”

O curso tecnólogo em gastronomia do Unar (Centro Universitário Dr. Edmundo Ulson) tem duração de dois anos e meio e prepara o aluno para atuar com eficiência no mercado

Com a valorização da profissão de chef de cozinha, os cursos na área de gastronomia estão cada vez mais em alta. Com um mercado próspero, o investimento é acessível, além de serem rápidos, cerca de dois anos para formação do profissional, por se tratar de um ensino superior de graduação tecnológica, ou seja, valoriza-se a formação científica e filosófica, bem como o exercício fundamental da vivência prática. De acordo com a Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel), o mercado de gastronomia cresceu 10% nos últimos cinco anos devido a todas as tipologias de serviços que foram criados para atender uma sociedade dinâmica, mutável, curiosa por novidades, assim como a busca por novas fontes de prazeres no universo que envolve saudabilidade, entre outros afins.

O profissional de gastronomia atua em diversos segmentos do setor A e B, não somente a cozinha em si, mas desenvolvendo e criando pratos ou produtos, planejando cardápios, gestor de um estabelecimento ou até mesmo como educador. “O interesse pela profissionalização é sinônimo de aquecimento neste segmento. Temos acompanhado o trabalho de empresas do setor, as mobilizações sociais apontando o alimento como um alicerce do processo educativo e pessoas que o veem com fins mercadológicos ou fonte de renda. A comida não é apenas uma substância para sustento, mas também um modo, um estilo, uma manifestação cultural. Portanto, alimentar-se é um ato nutricional e comer é um ato social ligado a usos, costumes, condutas, protocolos e situações”, afirma o prof. msc. Douglas Martins de Oliveira, coordenador do curso de gastronomia no Unar, o Centro Universitário de Araras Dr. Edmundo Ulson.

Oliveira justifica seu ponto de vista expondo considerações que vão de encontro ao pensamento do pesquisador e escritor Carlos Roberto Antunes dos Santos: “os sentidos conotativos dados ao alimento no prazer de comer, os desejos, a atividade de produzi-lo, a partilha, entre outros, elucidam um ato de comensalidade que se caracteriza como um dos elementos de relação e interação humana, contribuindo com a identidade cultural de um grupo e uma sociedade”.

O professor explica que “o curso é composto por aulas teóricas e práticas totalmente dinâmicas para estudo de áreas específicas da gastronomia desde a produção de alimentos, segurança alimentar até a gestão de um negócio. Englobamos as aulas práticas de habilidades básicas, cozinhas internacionais, cozinha fria, gastronomia molecular, psicologia da inovação, tendências de mercado e inovação, desenvolvimento de projetos, trabalho de conclusão, estágio internacional na França em restaurantes ou hotéis conceituados mundialmente, disciplinas optativas de libras, confeitaria avançada e doçaria, panificação avançada, além do desenvolvimento que já está ocorrendo dos cursos de pós-graduação.

Os diferenciais da formação dos nossos profissionais em gastronomia são sua facilidade de produzir, criar e solucionar problemas do dia a dia de uma cozinha e/ou administrar com competência uma empresa do serviço de alimentação com seu conhecimento de gestão empresarial e atuar de uma forma dinâmica para a empresa e a sociedade como um todo.

Além disso, oportunizamos aos nossos alunos a formação cidadã e inovadora no intuito de almejar sonhos e novas perspectivas de vida juntamente com a eterna continuidade dos estudos em cursos de pós-graduação lato ou stricto senso ou outros”, diz o professor.

Ao concluir o coordenador do curso frisa: “podemos argumentar que participar de atividades que promovam a arte e o apreender culinário, num espaço altamente qualificado para a condução do conhecimento aqui no Unar, despertam relevâncias que residem nas simbologias criadas, bem como nos processos educativos que favorecem a comunhão e a autoestima de um povo no desejo de galgar prazeres não mensuráveis de pertencimento, de vínculos e de novas perspectivas de projetos de vida”.

Campo de atuação: centros gastronômicos, empresas de hospedagem, recreação e lazer, hospitais e cozinha industrial, parques temáticos, aquáticos, cruzeiros marítimos, restaurantes comerciais, institucionais e industriais, catering, bufês e bares, instituições de ensino mediante formação requerida pela legislação vigente, consultoria gastronômica, alta confeitaria, personal chef, boulangerie, padarias artesanais, vegan food, sloow food, confort food, gestor de alimentos e bebidas, eventos, chocolaterias, desenvolvimento de start up, docerias, Ainda desenvolvimento de empresas ou produtos que valorizem a culinária regional e nacional, projetos sociais tendo o alimento como fonte de criação, ludicidade e transformação.

Mais notícias

COMPARTILHAR