Tomate fica 44% mais caro e faz custo de vida do brasileiro aumentar

Além dele, batata, cebola, plano de saúde e passagem de avião também aparecem na lista com as principais altas de novembro no Índice Geral de Preços-Mercado, apurado pela Fundação Getúlio Vargas.

Porém, as quedas do leite, da gasolina e da conta de luz, por exemplo, impediram um aumento maior.

E, no geral, o custo de vida do brasileiro cresceu apenas 0,09 por cento, em novembro.

O IGP-M como um todo, porém, caiu 0,49. Isso porque além dos preços cobrados diretamente dos consumidores, ele leva em conta outros dois itens.

O custo da construção civil, que subiu 0,26%, principalmente porque os materiais ficaram mais caros.

E ainda as despesas do setor produtivo, como a indústria, que despencaram 0,81%, puxadas por matérias-primas e insumos como soja, milho, gasolina e óleo diesel.

Mais Notícia

COMPARTILHAR